thesoundofsilence

How many times must a man look up, Before he can see the sky? How many ears must one man have, Before he can hear people cry? The answer, my friend, is blowin' in the wind. The answer is blowin' in the wind.

sábado, Outubro 25, 2014

Kate Perry faz hoje 30 anos

Jon Anderson faz hoje 70 anos

Dos palabras

Esta noche al oído me has dicho dos palabras
Comunes. Dos palabras cansadas
De ser dichas. Palabras
Que de viejas son nuevas.

Dos palabras tan dulces que la luna que andaba
Filtrando entre las ramas
Se detuvo en mi boca. Tan dulces dos palabras
Que una hormiga pasea por mi cuello y no intento
Moverme para echarla.

Tan dulces dos palabras
?Que digo sin quererlo? ¡oh, qué bella, la vida!?
Tan dulces y tan mansas
Que aceites olorosos sobre el cuerpo derraman.

Tan dulces y tan bellas
Que nerviosos, mis dedos,
Se mueven hacia el cielo imitando tijeras.
Oh, mis dedos quisieran
Cortar estrellas.


(poetisa argentina falecida faz hoje 76 anos)

sexta-feira, Outubro 24, 2014

Monica faz hoje 34 anos

Gilbert Bécaud nasceu faz hoje 87 anos

Poética

Nada digo por hábito
tudo de novo vem de ti
nasce de novo

Nada digo de novo
sobrevoo
o deserto movente das palavras
em busca de um sinal
exacto e comovente do teu corpo


(poeta açoriano nascido faz hoje 78 anos)

quinta-feira, Outubro 23, 2014

Clarisse Falcão faz hoje 25 anos

Charly Garcia faz hoje 63 anos

Neve da Chama – VIII

Enraizado no canto,
o cortejo de galos
separava a safra de corais.
Das quilhas coradas
das canoas.


(poeta gaúcho que hoje faz 42 anos)

quarta-feira, Outubro 22, 2014

Rita Guerra faz hoje 47 anos

Georges Brassens nasceu faz hoje 93 anos

Da Escrita

Da poesia
faço
uma raiz
que gera
a haste
oculta
da palavra
em flor

Abro as portas
desta melancolia
fechada no poema
por nascer
e sinto essa magia
suprema

de o escrever


(poeta português falecido faz hoje 26 anos)

terça-feira, Outubro 21, 2014

Julian Cope faz hoje 57 anos

Elliot Smith faleceu faz hoje 11 anos

Soneto da Esperança

Tempo de azul e não. Desencantado
reino do que não foi, mundo postiço,
ontem feito de agora, hoje passado:
na essência do não-ser o instante omisso.

(Margaridas da tarde, onde o seu viço?
Choro de água nos ares, lento e alado
caminho cor de sonhos? Insubmisso
mar sem datas, desfeito e recriado?)

Suaves rechãs por onde a mão do vento
esculpia no verde a sombra exata
e as imagens que o olhar já não alcança.

Aventuras tão-só do pensamento:
arco de azul, a tarde era a fragata
supérflua, para o exílio da esperança.


(poeta pernambucano falecido faz hoje 8 anos)

segunda-feira, Outubro 20, 2014

Jil Caplan faz hoje 49 anos

Tom Petty faz hoje 64 anos

Pedra Imortal

As pedras
romperam
o silêncio.

Radioactivo
o movimento
radioactiva-se
de amor.

Hoje
o pó
espargiu-se em ternuras.

Somos alma.


(poeta moçambicano que hoje faz 69 anos)

domingo, Outubro 19, 2014

Amor como em Casa

Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que
não é nada comigo. Distraído percorro
o caminho familiar da saudade,
pequeninas coisas me prendem,
uma tarde num café, um livro. Devagar
te amo e às vezes depressa,
meu amor, e às vezes faço coisas que não devo,
regresso devagar a tua casa,
compro um livro, entro no
amor como em casa.


(Manuel António Pina faleceu faz hoje 2 anos) 

Jacqueline du Pré (violencelo) faleceu faz hoje 27 anos

Karl Willinger faz hoje 57 anos

Peter Tosh faria hoje 70 anos

A Esposa

Às vezes, nessas noites frias e enevoadas
Onde o silêncio nasce dos ruídos monótonos e mansos
Essa estranha visão de mulher calma
Surgindo do vazio dos meus olhos parados
Vem espiar minha imobilidade.

E ela fica horas longas, horas silenciosas
Somente movendo os olhos serenos no meu rosto
Atenta, à espera do sono que virá e me levará com ele.
Nada diz, nada pensa, apenas olha - e o seu olhar é como a luz
De uma estrela velada pela bruma.
Nada diz. Olha apenas as minhas pálpebras que descem
Mas que não vencem o olhar perdido longe.
Nada pensa.
Virá e agasalhará minhas mãos frias
Se sentir frias suas mãos.

Quando a porta ranger e a cabecinha de criança
Aparecer curiosa e a voz clara chamá-la num reclamo
Ela apontará para mim pondo o dedo nos lábios
Sorrindo de um sorriso misterioso
E se irá num passo leve
Após o beijo leve e roçagante...

Eu só verei a porta que se vai fechando brandamente...
Ela terá ido, a esposa amiga, a esposa que eu nunca terei.


(Vinicius de Moraes nasceu faz hoje 101 anos)