thesoundofsilence

How many times must a man look up, Before he can see the sky? How many ears must one man have, Before he can hear people cry? The answer, my friend, is blowin' in the wind. The answer is blowin' in the wind.

segunda-feira, Setembro 22, 2014

Telegramando

e
lá estou eu a fazer mais um espectáculo
agora com poemas estranhos
(experimentais… etc & tais)
e
claro.
para meia dúzia de devotos

em vez de me pirar deste rectângulo
mal frequentado…

até já
tinha pensado ir para a grécia quando vi
(com agrado) um cão anarquista a dar
trabalho à bófia
tinha pensado ir para moçambique (que é
 longe e podia perder a vontade de voltar)
tinha pensado ir para cabo verde…
mas não
que porra…!?
vou-me quedando por aqui…

dêem-me um passaporte de cão!!!
é. 
nunca me entenderei com a humanidade


(poeta madeirense nascido a 22 de Setembro de 1925)

domingo, Setembro 21, 2014

Faith Hill faz hoje 47 anos

Jorge Drexler faz hoje 50 anos

Gonzaguinha faz hoje 69 anos

Leonard Cohen faz hoje 80 anos

Canção de outono

Se fui teu filho, teu pai, teu dono,
que o outono o diga.

Maio te conte nos fins de sonho
- de amor mendiga -
se fui teu filho, teu pai, teu dono.

Quem te sugava nos mornos seios
         não era eu.

Se alguém foi dono do que não mostras
         mesmo a ti mesma,
         jamais fui eu.

Eu sou apenas o que te falta,
e em noite alta te tira o sono
como os outonos que te consomem.

Eu sou o teu homem...


(poeta paulista falecido faz hoje 32 anos)

sábado, Setembro 20, 2014

Wander Wildner faz hoje 55 anos

Teias da Memória

Na baça melancolia do tecto
bilros de teia bordam solidão
enquanto meigos sussurros de sombra
no brilhante mutismo do espelho
recitam estrofes de poeira.


(poetisa moçambicana nascida a 20 de Setembro de 1926)

sexta-feira, Setembro 19, 2014

Tegan e Sara Quin fazem hoje 34 anos

Jarvis Cocker faz hoje 51 anos

Lita Ford faz hoje 56 anos

Serenos e pulverizados continuamos

Aqui tens os teus mitos tu
um dia também terás notícias nossas
os nossos olhos não desistem de furar o asfalto
e crescer como flores proibidas

rastejando entre espingardas e vidros
furamos as paredes e o nevoeiro
rastejamos como vermes
mas nunca à maneira dos desesperados

um dia terás notícias nossas

podes pulverizar-nos
é quase certo que nos pulverizes
podes odiar-nos
é quase certo que nos odeias
podes destruir-nos
é indiscutível que seremos destruídos

mas um dia terás notícias nossas

porque através das paredes e do mar
e do vidro e da dinamite e do ódio
nós continuamos
serenos e pulverizados continuamos.


(escritora salaciense nascida a 19 de Setembro de 1935)

quinta-feira, Setembro 18, 2014

Luiz Goes faleceu faz hoje 2 anos

Luísa Sobral faz hoje 27 anos

Paraíso Perdido

Outro, não eu, que desespero, ao cabo
de, em pedrarias de arte e versos de ouro,
ter dissipado todo o meu tesouro,
como os florins e as jóias de um nababo;

outro, não eu, que para o chão desabo,
esquecendo-te as culpas e o desdouro,
e a teus pés de marfim, como o rei mouro,
em torrentes de lágrimas acabo:

outro conspurca-te a beleza augusta,
cujo anseio de posse ainda me custa
como um verme faminto andar de rastros.

E mais deploro este meu sonho falso
ao recordar que andei no teu encalço
pelo caminho rútilo dos astros!


(poeta carioca falecido a 18 de Setembro de 1916)

quarta-feira, Setembro 17, 2014

Negra Li faz hoje 35 anos



Anastacia faz hoje 46 anos

Marina Lima faz hoje 59 anos

Sabedoria

Desde que tudo me cansa,
Comecei eu a viver.
Comecei a viver sem esperança...
E venha a morte quando
Deus quiser.

Dantes, ou muito ou pouco,
Sempre esperara:
Às vezes, tanto, que o meu sonho louco
Voava das estrelas à mais rara;
Outras, tão pouco,
Que ninguém mais com tal se conformara.

Hoje, é que nada espero.
Para quê, esperar?
Sei que já nada é meu senão se o não tiver;
Se quero, é só enquanto apenas quero;
Só de longe, e secreto, é que inda posso amar...
E venha a morte quando Deus quiser.

Mas, com isto, que têm as estrelas?
Continuam brilhando, altas e belas.


(José Régio nasceu faz hoje 113 anos)

terça-feira, Setembro 16, 2014

Katie Melua faz hoje 30 anos

Victor Jara foi assassinado pelos terroristas faz hoje 41 anos

As Usinas

Desce o rio, lento, pesadão, molengo.

Mas, de repente,
se despenha no desespero do despenhadeiro.
É a cachoeira, a acachoar, zoando e retumbando no seio virgem da floresta virgem.

E, além, são as águas, que se refreiam,
                                   que se represam,
e é a luta esplêndida de mil cavalos imaginários
nos canos grossos,
nos tubos longos,
pelas turbinas adentro, - em turbilhão.

E, então, lá no alto, à luz do dia, apoteóticamente,
as fábricas gemem,
os teares cantam,
as serras guincham,

- e, à noite, como que num milagre, é a cidadela
toda esplendente de alampadários.

Henrique de Resende

(poeta mineiro falecido a 16 de Setembro de 1973)